DISCLAIMER


DISCLAIMER: 1. The risk of trading equities and/or derivatives can be substantial. 2. Any decision to purchase or sell as a result of the opinions expressed in this blog will be the full responsability of the person authorizing such transaction. 3. Past performance is not indicative of future results.

domingo, 30 de maio de 2010

Bulls Have Not Stepped Up To The Plate Yet...

Apesar de leituras extremas de pessimismo - abordadas aqui e no TIB - bulls não provaram nada ainda. Price is king. As máximas de quinta e sexta-feira no SPX não conseguiram ultrapassar o velho benchmark da 200 DMA (não mostrada). Provavelmente players preferiram não manter posições compradas no feriado prolongado. O primeiro passo para se esperar um rally decente seria ver um fechamento acima de 1110 no SPX. No entanto, seasonals recomendam que não se elevem muito as expectativas. A existência da downtrendline traçada a partir do topo de abril não pode ser negligenciada (vide chart acima). Em circunstâncias normais, devemos esperar uma semana levemente positiva em Wall St. Semana passada - "Time to start to nibble?" - fiz esse mesmo comentário...e acertei, apesar da volatilidade intensa.
Aliás, todas minhas expectativas recentes em relação a Gold têm se mostrado acertadas (clique no marcador "commodities"), com precisão suíça. Claro que nem sempre isso é possível. Sempre que a "sorte" dá essa oportunidade convém flexibilizar os parâmetros de gerenciamento de risco e partir para posições mais agressivas. 
Nota: Essa observação se restringe ao ativo citado.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Why Equities Do Not Bounce?

As análises ortodoxas levam resultados passados em consideração para a projeção do futuro. Essa foi a estratégia seguida pelo famoso hedge fund LTCM, que perdeu, alavancado, US$550 milhões em um dia, quebrou e entrou para a história. E essa é a que sigo nas minhas postagens, pois é a que se mostra acertada na maior parte do tempo. A maior virtude do investidor (qualquer que seja seu viés de análise) não é saber o que fazer quando está certo e sim quando está errado. Permito-me reproduzir in verbis um trecho didático de Jeff deGraaf em seu artigo "Playing With Fear And Arrogance":

"Contrary to what 99 percent of the investment population thinks, trading is not about being right. Being right is easy. Trading is about being wrong; and navigating  this inevitable ocurrence distinguishes the winner from the losers in the long run."

A distribuição de retornos nos mercados não é normal. É leptocúrtica. Portanto, espera-se um maior percentual de resultados extremos nas "caudas". O investidor/trader deve reconhecer quando se está navegando por esses mares. Isso não é tarefa fácil, pois na maior parte do tempo fundamentals and technicals estarão em contradição. Considerando que as leituras "aparentemente" extremas nos indicadores de sentimento não tem reflexo nos preços, faço um update no chart acima do SPX. Lembrete: posições com lastro em ouro trazem melhores perspectivas (aqui).

domingo, 23 de maio de 2010

Time To Start To Nibble?

Você vai aproveitar o selloff pra comprar e aproveitar o repique? Provavelmente 80% dos que me lêem dirão que não, considerando o histórico recente de um mercado aparentemente fora de controle. Fear is good...
Leituras de sentimento e de TRIN atingiram máximas de pessimismo desde o início desse cyclical bull market. O washout de vendedores, somado a um mercado bastante sobrevendido, torna posições compradas pouco arriscadas nesse momento. Daí, natural esperar uma semana positiva. A mídia, pressionada por metas de page views e compromissos com anunciantes, deve justificar a recuperação dos mercados acionários com as tradicionais bullshits.
Um caveat: eventual abertura forte, com gapup, configuraria uma ilha de reversão. E um pullback para fechamento desse gap é estatisticamente provável.
Preço de Gold provavelmente encontrou seu fundo. Consolidação de algumas semanas deve se iniciar brevemente.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Money Morning vs. Fact Finder


Followup On Gold

Existe uma boa razão para a insistência nas análises do bullion. É a única classe de ativo em que posições compradas podem ser administradas com tranquilidade. E pullbacks deveriam ser usados para acumulação. O retorno em USD é expressivo em 2010. Em Reais, ainda mais, considerando a desvalorização cambial recente.

Emerging Or Submerging Markets?

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Do You Trust Reports? R.I.P.

Os anos se passam e eu há algo com que nunca me acostumo. Investidores - mesmo os nem tão neófitos assim - guardam uma relação fetichista com relatórios e recomendações de bancos e corretoras. Recebo uma newsletter yankee de cunho fundamentalista. Outro dia trouxe um tópico revelando que "o Goldman Sachs previa uma alta de 18% nas commodities em 2010". [Como minha única fonte de informação confiável são os charts (e deveria ser a da maioria dos investidores), resolvi examinar rapidamente um gráfico mensal do West Texas Intermediate, bom proxy para o Crude Oil da NYMEX.] A publicação desta notícia está impregnada por conflito de interesse, já que o editor possui um portfolio de small caps, recém-criado, específico para o Setor de Energia. A Bloomberg, em um de seus programas, hoje veiculou notícias de que  o mesmo Goldman Sachs está sendo acusado de promover operações na contra-mão de suas recomendações. Nesse ano de 10 recomendações fornecidas pela banca a seus clientes 7 estão se mostrando perdedoras. Julguem por si mesmos...

quinta-feira, 13 de maio de 2010

What Is Next For The Bullion? Here Is My Take

Gafanhoto pergunta: 
- Por que essa consolidação será tão rasa? Não poderia recuar mais e fornecer melhor entry points?
Fact Finder responde:
- Porque essa consolidação no nobre metal traz implícita minha expectativa para equities nos próximos meses. Do Crash de 2008 para cá players tem reproduzido um comportamento curioso que é o de estabelecer determinado ativo como fear gauge. Até dezembro do ano passado este papel coube ao USD Index. De agora em diante, e por tempo desconhecido, acredito que Gold desempenhará esse papel, já que o risco soberano passou para a linha de frente dos acontecimentos. E os US$1248/oz não é o topo do ano.

terça-feira, 11 de maio de 2010

******* Breaking News ********

Aqui no MFF não faço comentários de fechamento. Por quê? É hindsight. Qualquer um se habilita a fazer comentários sobre o que passou e explicar o que aconteceu. Meu foco é o foresight, o único que me dá dinheiro. Quem vocês conhecem que, em 03/05, apontou uma grande probabilidade de reversão na tendência terciária? Por que com a mesma desenvoltura emito análises baixistas ou altistas, sem rodeios ou firulas? Porque não tenho conflito de interesse. Por que não emito opiniões sobre determinado ativo? Porque existem regulamentações específicas sobre essa atividade. E meu objetivo no MFF tem sido criar um nicho de investidores que assimilem as mudanças nos diversos mercados de livre negociação antes que se tornem óbvias e virem manchetes de jornal. Charts never lie.

  1. Você quer ter uma idéia de como é possível apontar com eficácia inflexion points ou turning points nos mercados?
  2.  Você quer compreender o ebb-and-flow dos ativos e não ter que decorar setups gráficos? 
  3. Ou possuir elementos objetivos para desenvolver um trading system próprio, p.ex.? 
Pois bem...nunca imaginei que isso um dia pudesse acontecer. Mas, a convite, e após longa reflexão, associei-me a um amigo para um seminário de dois dias de technical analysis em local e data a serem definidos. O conteúdo trata de material inédito em Pindorama, de bom proveito tanto para iniciantes quanto investidores experientes interessados em aprimorar o market timing. Acredito que o material seja de especial interesse para investidores de viés fundamentalista que, via de regra, cometem erros grosseiros ao comprar papéis "baratos". Aguardem novas informações.  

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Today's Culprit: Citigroup Trader's Fat Finger?

Vou deixar de lado essa bullshit du jour, mesmo porque o CEO da NYSE já se manifestou publicamente dizendo que não houve erro algum de trader. Absurdo. Essa estória toda me faz pensar que uma apuração desse episódio tosco deveria ser levada a cabo pela SEC.
Mudando de assunto...mesmo após a grande recuperação intraday de hoje, o resultado final deixou a manutenção desse reflation rally na UTI (em negrito, para que se lembrem disso ainda esse ano). Era esperada uma reversão dentro da tendência terciária (clique aqui). No entanto, a extensão das perdas, no pior momento do dia, colocou sob perspectiva neutra, até a tendência secundária. Embora o breadth de Wall St. esteja em forma, price action is king. O saudoso TED Spread subiu somente hoje mais de 25%, refletindo o aumento perceptível do risco soberanoYikes! (Alguém se lembra dele?)
Já vi muita coisa. Sobrevivi a dois bear markets. E a estória não muda. Racionalização de quedas é sinal de complacência impregnada. No final do dia senti até um certo sentimento de alívio no ar com o fechamento de hoje. Isso nunca foi bullish para equities

domingo, 2 de maio de 2010

Do Not Get Caught Up In Herding Thoughts

O editor de uma newsletter que acompanho disse acreditar que uma "consolidação" está em andamento no SPX. O serviço segue um TS do tipo trend-following, por isso imagino que não seja apropriado para apontar reversões iminentes. Não há nada mais divertido que acompanhar como mesmo os mais experientes, vez ou outra, se rendem à opinião da manada.  A natureza humana sorrateiramente nos empurra para um estado de letargia. Afinal, em várias oportunidades desde fevereiro vimos dias que trading sessions bem negativas foram revertidas na última hora e meia. Ou notícias "ruins" que provocavam gapdowns na abertura só para vermos, em incredulidade, fechamentos positivos. Então pra que se preocupar e escrever sobre isso? Só para ser ridicularizado?

Para acreditar em uma consolidação esses dias deveria ver um trading range bem comportado e não algo tão whippy. Além disso, o volume aumentou consideravelmente. Isso não é algo realmente bullish. 1.180 é, como diriam os yankees, the line in the sand para a tendência terciária.