DISCLAIMER


DISCLAIMER: 1. The risk of trading equities and/or derivatives can be substantial. 2. Any decision to purchase or sell as a result of the opinions expressed in this blog will be the full responsability of the person authorizing such transaction. 3. Past performance is not indicative of future results.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

It Is The End of MFF As We Know It

Essa é a postagem de número 500. Nunca imaginei que essa aventura fosse tão longe. Depois de quase três anos, o conjunto de mensagens deixou um legado consistente. Leitores testemunharam uma maneira objetiva, baseada em perspectiva top-down de compreender os vários mercados de ativos e sua interrelação. Não houve plágio de setups gráficos, vendidos como a última novidade para "bater os mercados" ou opiniões omissas do tipo "amanhã-pode-cair-subir-ou-ficar-parado". Um market timing eficiente é o objetivo supremo dessa arte que é a análise técnica strictu sensu. Compre o pior ativo do melhor setor que ele muito provavelmente terá performance superior àquele que se destaca em setor pouco favorecido.
A proposta do blog sempre foi de difícil aceitação. Demandam-se experiência e reflexão por parte do leitor. A princípio, os conceitos ficaram (propositalmente) no ar porque o ser humano busca sempre a "zona de conforto". Ainda assim, explicações adicionais foram fornecidas mediante provocação na seção de comentários ou em email particular. Além disso, deixei claro que a maior parte do "conhecimento" proporcionado pelos gurus do mercado nacional é um embuste, sem resultado prático comprovado. Enfim, essa foi minha pequena contribuição a uma diminuta parcela de investidores que se identificou com uma abordagem abrangente, diferenciada e menos (ou nada) comercial. Enfim...obrigado pelo reconhecimento e até o próximo projeto (se houver). 

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Time To Trim Exposure To EMs?

From the Series "Charts you see nowhere else"

domingo, 17 de outubro de 2010

Volatility Down Hard Today - part II


Esse é um followup da primeira postagem (aqui). Há alguns anos acompanho com interesse peculiar o comportamento dos principais índices de volatilidade. O VIX, popstar deles, não é o único, embora seja de longe o mais conhecido. De uns anos para cá, produtos como ETFs sobre índices futuros desses índices e opções têm se popularizado como instrumento de hedge de portfolios. No anacrônico mercado financeiro de Pindorama provavelmente só meus netos verão algo do gênero por aqui.

Voltando à vaca fria: No comentário anterior chamei a atenção para a queda brutal de circa 8% no VIX. Como sói ocorrer, expectativas extremas não se mantêm por muito tempo. E voilá! Após o one-day selloff VIX ensaiou uma pequena subida, até as médias, e retomou sua trajetória descendente. Essa escalada não impactou equities como esperado. O que isso quer dizer? Nada. Non-confirmations de curto prazo entre índices de volatilidade e respectivos gupos de ativos (underlying) não são uma ocorrência tão rara assim

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

30 Yr. Yields...Then And Now.

POSTAGEM DE 3 DIAS ATRÁS
HOJE
De maneira resumida essa é uma das diferenças entre minhas análises e as dos demais gurus de Pindorama. Resultados geralmente são vistos em questão de dias. Contudo, por enquanto, poucos prestam atenção, porquanto em rallies vigorosos todos sentem-se Warren Buffetts. Quando o sangue toma a rua devolvem tudo e mais um pouco. Juntam-se à legião de bull market geniuses, viram "investidores" como auto-consolo ou nunca mais aparecem com ordens na pedra. Quem compreende o ebb-and-flow dos preços não precisa culpar o acaso ou a bullshit du jour. Quando se está errado na maior parte das vezes é possível ler em tempo as sutis mensagens do price action. Afinal, shit happens. E quando se está certo? Saia pra pescar ou pro shopping. Por que será que quase nunca toquei no assunto stop losses nesse blog? :)

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Selloff In Treasuries Is In The Cards?

Os fundamentalistas são responsáveis pelos maiores short squeezes dos mercados. Para quem ainda não se familiarizou com o termo...este se dá quando detentores de posições vendidas são obrigados a zerar suas posições diante da iminência de prejuízos crescentes. Essa zeração só pode ocorrer mediante recompra dos papéis. Muito improvável que o squeeze ocorra em uma blue chip, na qual o giro financeiro é sempre alto. E os vendidos estão muito longe de representar uma parcela significativa.

Fundamentalistas são cartesianos por excelência. Outro dia um amigo esteve em um Congresso de Value investors em São Paulo. E me disse que um dos palestrantes revelou que seu fundo possuía posições vendidas em papel de empresa cujo valuation era injustificado. Simples, não? É perfeitamente possível shortar ativos sobreavaliados, desde que os technicals e sentimento forneçam o devido respaldo. Ignorar esse fato é fonte de enormes prejuízos em potencial.

Dei essa volta toda para comentar que os Treasuries - qualquer que seja seu vencimento - estão relativamente sobreavaliados. Uma nota de 10 anos está pagando circa 2.40% a.a., enquanto o dividend yield do SPX não chega a 2% a.a. (hat tip to Robert Shiller). [EWZ - proxy do mercado de Pindorama -, 3.3% a.a.] Respeite-se sempre o momentum enquanto ele existir (clique aqui). Você nunca será esperto o suficiente para saber até onde vai. 

Gordon Gekko "Lite"

Às vezes me pergunto por que não me animei com os avatares de Mr. Cameron, como a maioria. Talvez esteja sendo acometido do banzo típico dos que envelhecem...Vejo mais fantasia em Labirinto com David Bowie, filme da década de 80, que naqueles recursos 3D. 

Tentando resgatar aquela fantasia e otimismo da época, pus-me a ver ontem a sequência de Wall Street de Oliver Stone. Como peça cinematográfica pareceu-me razoável. Como sequência, uma decepção. Em 1987 todos queriam ser Gordon Gekko. Os EUA conseguiram emergir milagrosamente de anos difíceis no início da década, época em que o exemplo de pujança econômica era o Japão. O otimismo das sociedades se irradia para todas as formas de arte. "Greed Is Good".

Em Money Never Sleeps há uma preocupação excessiva com a atitude politicamente correta. Torna-se cristalino o ressentimento que os americanos de classe média têm atualmente em relação aos mais afluentes de Wall St. Gekko, por vias transversas, acaba financiando as atividades de uma indústria de energia alternativa. Bud Fox (Charlie Sheen), um dos protagonistas da primeira versão, faz uma aparição patética em um coquetel (fora do contexto da trama). Enfim...ao final da sessão pareceu que assisti a uma hora e meia de propaganda eleitoral. O cast não contou sequer com uma atriz de seios fartos para prender minha atenção. Mr. Stone nunca foi adepto de confecção de trilogias. Espero que não o faça agora.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Volatility Indices Down Hard Today

A queda abrupta dos índices de volatilidade, hoje, em um dia em que o bond market esteve fechado e não deu o norte para o mercado de equities é incomum. Mais curioso que tenha havido uma forte diminuição na volatilidade geral sem que isso tivesse se traduzido em price action positivo. A queda de hoje foi praticamente equivalente à de toda a semana passada. As major averages terminaram praticamente inalteradas. Dado o contexto, me parece difícil acreditar em breakouts significativos esses dias. Ao contrário, seria normal esperar alguma retração em Wall St. 

terça-feira, 5 de outubro de 2010

When Skeptics Will Turn Into Believers?

Minhas suspeitas se confirmaram. Zerei novamente no breakeven outra operação vendida. A entrada deu-se nos primeiros dias em que o SPX namorou os 1150. Um número maior de operações sem resultado ou pequeno prejuízo são inerentes a sistemas baseados em reversão. O price action de hoje em Wall St. foi extremamente bullish. Só que ao contrário do que se espera: não houve uma leitura agressivamente bullish por parte dos traders individuais de opções (?!) Simplesmente continuam não acreditando no que estão vendo. Enquanto houver céticos esse rally tem combustível

Acredito que o melhor mês de setembro tenha alguma influência no comportamento recente dos investidores. Há um outro fator notável: a associação que o ano de 2010 tem tido com 1939 em Wall St. Via de regra, as pessoas tendem infantilmente a projetar padrões onde não existem. Examinemos o seguinte silogismo: Se agosto (PIOR DESDE 2001) e setembro (MELHOR DESDE 1954) => outubro (...) 80% dos que me lêem preencheriam a lacuna com o verbete "RUIM", reproduzindo um padrão ziguezague que não existe. Digo-lhes que do ponto de vista estatístico, de uma amostragem de décadas, a perfomance de outubro não depende da de setembro. Investidores com formação em ciências exatas são mestres em projetar padrões inexistentes. Esse é um assunto interessante que faz parte do programa do evento de São Paulo*. O primeiro passo para se livrar do "linearismo mental" é reconhecer a sua existência.

* O banner inserido hoje remete a um site de armazenamento de arquivos. Essa é uma limitação do blogger, que não permite upload a não ser de imagens. Quaisquer dúvidas ou solicitações podem escrever para finder101@gmail.com ou fazer comentários na respectiva seção do blog.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Gold: Not A Short-Term Buy - II

CNN Money coverage speaks for itself. Followup of #1 (here)

domingo, 3 de outubro de 2010

U.S. Retail Investor Sentiment Caught Up To Price Action



A evolução dos dados de sentimento do mês de setembro entre os operadores de opções mostra dois momentos distintos: 

  • Momento 1: Nos primeiros dias do mês viu-se leitura intensa de bullishness, como comentado aqui. Ocorrência rara porque, via de regra, espera-se que ocorra depois de insistente rally e não no início dele. Esse disconnect price vs. sentiment é tão raro que abri a possibilidade de que estivesse em curso a melhor performance do price action no mês de setembro em Wall Street desde a década de 50, no caso do SPX (clique aqui). De tão atrevido, esse meu comentário não deve ter sido levado a sério. As pessoas só acreditam em obviedades;
  • Momento 2: De meados do mês de setembro pra cá essa tsunami de bullishness aos poucos foi perdendo intensidade, o que é absolutamente normal. Operadores começam a se beliscar. Aliás, caíram tão rápido na realidade que produziram dois dias de leitura pessimista (no chart acima só mostrei um), em níveis só vistos no início de maio, mesmo quando o mercado há dias já vinha derretendo na cara de todos (vide dias de forte pesssimismo de maio nas setas).


Conclusão: Apesar de não ter havido breakout definitivo dos 1150, já começo a desconfiar de que esse rally iniciado em setembro tenha ainda alguma sobrevida. [Trabalho com estatísticas e não com chutes ou wishful thinking]. Mau pra quem - como eu - possui posições vendidas. Os futuros yankees na segunda feira me darão o norte da ação. Essa semana deve haver uma resolução desse trading range em 1140-1150. Esse tipo de análise pontual de sentimento não pode ser aprendida na Internet nem em livros. Foi desenvolvida por mim após anos de observação.