DISCLAIMER


DISCLAIMER: 1. The risk of trading equities and/or derivatives can be substantial. 2. Any decision to purchase or sell as a result of the opinions expressed in this blog will be the full responsability of the person authorizing such transaction. 3. Past performance is not indicative of future results.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Fact On the Couch

Ter prejuízo em uma operação por causa de fatos rapidamente precificados - na direção contrária a que espero - não me perturba. Comentei outro dia quando estava short em uma operação travada de opções de petr4 justamente quando o papel começou a ficar estupidamente e estranhamente altista. Dias depois Dona Dilma anunciou o descobrimento do Campo de Tupi em Rede Nacional. Things got ugly...

Perturbador para mim é sentir que estou com um viés de análise coincidente com o da maioria. Ou seja, com o melhor analista do Lehman Brothers ou com o Zé das Couves. Tanto faz. Aí é que passo a duvidar das minhas pesquisas e provavelmente não terei coragem de fazer nada ("when in doubt stay out") até que novos cenários sejam vislumbrados. Note-se que a dissonância cognitiva advém do fato de estar "do mesmo lado" da maioria. Não tem a ver com surpresas no price action. Ocasião na qual mudo de lado tão rapidamente quanto possível.

Isso seria um tipo de sentiment analysis não-convencional, já que não lanço mão de um indicador mensurável. Esse tipo de "análise de sentimento" serve para reforçar a análise técnica ortodoxa e não o inverso.

4 comentários:

Traderix disse...

Nos EUA mortgage equity extraction nosedived, CEO confidence está em nível recessionário (excelente leading indicator trimestral), setor financeiro em frangalhos e, embora esteja recebendo infusões de SF, o multiplicador bancário poderá ir pras cucuias como ocorreu no início da década de 90 quando a economia custou a pegar no tranco. Leading indicator do ECRI em nível recessionário ainda. A inflação cheia (com energia e alimentos em alta estrutural o core não faz sentido) está em nível bem desconfortável, exercendo forte pressão sobre os múltiplos. Coisas negativas têm às pampas e vou parar por aqui. Hoje li que o Royal Bank of Scotland prevê crash daqui a 3 meses. Donde se conclui que estou bearish, right? Wrong. Estou desconfortavelmente bullish. Desconfortável porque embora espere uma upleg com duração tradable, mais me parece um bull dentro da barriga de um bear. Anyway, I dont care.

Apesar de tudo isso o mercado pouco caiu nos EUA, tendo como benchmark o SPX. Por que? Podem ser os juros negativos nos EUA desde a virada do ano, na Ásia desde há muito tempo, na Europa a nível próximo de 0%. Mas pode ser outra coisa que eu desconheço, o que em geral é o mais provável (ênfase minha).

Já dizia um sábio do mercado: trade what you see not what you want to see (agora me lembrei: Joe Ross). O meu modelo de pensar mercado se resume em: earnings leading indicator + modelo de múltiplos + propensão ao risco + price action + sentimento do investidor. Os 2 primeiros são itens de médio e longo prazo que estão mal, porém servem para dosar o meu ímpeto (importante a gestão de risco). Os demais itens se aplicam ao horizonte em que eu opero com índice futuro que, sendo alavancado, nos dias de hoje meu horizonte não passa de 1 mês, quando muito.

Price action ainda está no geral negativo aqui e lá fora, pero, o setor mais sensível ao ciclo econômico, o setor tech está em very good shape e para mim isso é extremamente importante (excelente correlação estatística com o Pib). Já vi muitas armadilhas para os bears criadas em um quadro como esse. Tão importante quanto o price action vem minhas métricas de propensão ao risco que estão melhorando a olhos vistos. Vi esse quadro (bom price action das tech e apetite pelo risco aumentando) acontecer muitas vezes e o que daí resultou. Faltam agora 2 coisas para uma perna de alta aproveitável: sentimento pessimista e reversão no setor financeiro, nem que seja um pull back (aliás não espero mais do que isso nesse setor).

Quanto ao sentimento, fico de olho nas pc ratios e as analiso de 3 maneiras: uma mms longa, a posição em que se encontra uma mme mais curta nos últimos 8 meses e spikes. Finalmente ontem os spikes começaram a surgir nas 2 bolsas que acompanho (CBOE e ISE), mas foi a 1ª. vez. Os 3 ingredientes acima na CBOE estão chegando no ponto a partir do qual já se poderia pensar em long, mas os da ISE ainda não estão confortáveis, o que me deixa ainda ressabiado. Portanto, não descarto ainda uma visita do SPX ao fundo de março, mas um long apetitoso se aproxima.

O call de um crash pelo RBS aguçou o meu viés contrário. Do nosso lado o mercado está bem desencontrado: o setor miscellaneous com 26% da carteira está uma merda, testando o low do dia do IG, não rompeu o high de 2007 nem após o IG e julgo que, sendo sensível aos fatores domésticos, não vai ter punch suficiente para all time high. Os setores de energia e materiais estão corrigindo fortemente, porém se situam acima do high de 2007 (os 2 pesam cerca de 45% acho eu). Setor de tele uma merda, porém, pesa pouco, somente utilities estão bem, mas pesam pouco também.Hoje namorei o long, mas um DCB no setor de energia do SPX com a retirada dos subsídio pela China me fez pensar em algum follow through e deixei para entrar após um DCA intraday que ainda não vi. Anyway, seria um tiro curto, pois meu gut feeling ainda não me leva a carregar um long por mais tempo do que 1 a 2 dias.

Meu indicador Range High-Low para a carteira do Bovespa (mede a média do percentual que cada papel se encontra no range dos últimos 20 pregões), embora não tenha atingido um nível oversold, diverge positivamente de maneira visível e hoje subiu, apesar do BOV ter caído. Construtivo.

That is it.

KB

Anônimo disse...

ADOOOOOOOREI (êpa!?) ver o KB aqui...olhei $INDU; Weekly; BB; MACD; Stoch RSI e tio William's... e do Penhaskim dá para ver o big OCO direitinho e as "convulsões" em 11kg e depois em 10.500; quando, 'áxu', Ibofesta estará em 45 e 35 respectivamente... BUT... ôps!... sorry... çiskiçi-me que o espaço aki não é para AFs nem LLLps (rsrs). Anãonimus.

Anônimo disse...

...duas perguntinhas aos meus dois queridos mestres Engenheiros, Fact e KB: 1."existe regressão geométrica?... tipo assim: se o bull de DJIA foi em progressão aritmética e o nelore tupiniquim em geométrica; o bear que phode começar a hibernar, já neste inverno, phoderá ser em REGRESSÃO aritmética pôrrrrrrrrLÁ e Geométrica pôrrrrrrrrrK???"... 2. "PôrrrrrQ um mercado para ir de 30 a 60 kg tem que subir 100% e para voltar dos 60 para 30 basta cair 50%?... é porque dói?"... (aguia).

Fact Finder disse...

1. Prefiro ver essa semana de quadruple witching atrás antes de reavaliar o cenário, KB. PC Ratio e TRIN nos meus parâmetros de CP estão mais para neutral. Mas com semana de vencimento importante pela proa inclusive os níveis de volatilidade podem estar distorcidos.
Também não me apetece ver call de crash. O RBS deve estar reproduzindo o Hindemburg Omen...
Os EMs estão me ocupando mais que os mercados yankees. A underperformance é clara. E a baixa volatilidade de LP do USD Index é algo que tem me deixado de orelhas em pé desde a virada do ano, como até tinha comentado por aqui. No CP vejo uma certa disconnection entre USD e CRB que uma hora irá se resolver...

2. Caro amigu Akilíneo, o espaço não é vedado a AFs. Apenas acredito que os "AFs ortodoxos" não encontrariam muita utilidade nos comentários feitos aqui. E quanto ao timeframe lembre-se de que: o longo prazo é o somatórios de curtos prazos. :)