DISCLAIMER


DISCLAIMER: 1. The risk of trading equities and/or derivatives can be substantial. 2. Any decision to purchase or sell as a result of the opinions expressed in this blog will be the full responsability of the person authorizing such transaction. 3. Past performance is not indicative of future results.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Portfolio Managers Falling From Grace

Einstein foi um "fora-de-série" no ramo da Física. Pelé, no futebol. Bobby Fisher, no xadrez. Exemplos são inúmeros. Em toda atividade humana a coletividade reconhece performances de indivíduos muito acima da média. Na grande indústria de fundos yankee - a maior e mais competitiva do mundo - alguns managers se notabilizaram pelos retornos expressivos no valor das cotas de seus fundos, bem acima dos benchmarks de mercado (geralmente o S&P500).

Bill Miller, Chairman e CIO da Legg Mason Capital Management, tinha sido um deles. De 1991 a 2005 obteve retornos que o colocaram entre a nata dos portfolio managers. Mas a magia se foi. Seu Legg Mason Value Trust mutual fund até junho de 2008 havia perdido quase 30% de seu valor. Isso antes da débâcle do dueto Freddie-Fannie. O LMVT era o maior acionista de Freddie Mac (vide necrológio acima). Não entrarei nas possíveis premissas adotadas por Bill para entrar em posição tão especulativa. Nesse caso, o que me chamou a atenção foi o fato do gestor ser adepto do value investing, escola de investimento criada por Benjamin Graham e seguida por Warren Buffett.

Outro exemplo notável de mácula na gestão de portfolios vem de ninguém menos que George Soros. Segundo a Guru Focus, adquiriu 11M de ADRs de PBR ao preço médio de US$65, posição que influencia quase 33% do resultado do portfolio. Acredito que a maioria dos investidores de primeira viagem tenha comprado PBR a preços melhores. O bloodshed não pára por aí, pois ações do Lehman Bros. (LEH) representam aprox. 7% de seu portfolio. Considerando o PM de US$37.1 e o fechamento de ontem: 80% de perdas. Soros recentemente virou notícia ao publicar um livro justificando a gravidade da crise atual. Portanto, sou incapaz de compreender decisões de investimento como essas.

Dessa crise do sistema hipotecário yankee emergirão novos superstars. Certamente alguns enriqueceram "shortando" CDOs e ativos correlatos. Assim como outros serão enterrados, se isso serve de consolo para os que me lêem e estão amargando perdas consideráveis. Como nos lembrou KB no Trading in Blog: "Mas não pense que o pato é somente o pequeno". Às vezes são bem grandes.

7 comentários:

pintinho disse...

John Paulson (Paulson & Co., Inc) e Philip Falcone (Harbinger Capital Partners) foram dois managers que ganharam muito dinheiro ano passado ficando short em CDOs.

Fact Finder disse...

Tudor Jones também. A lista do que ganharam acima de US$100M deve ter uns 10 nomes

Samuel Ramos disse...

Eu ganhei 5 reais vendendo Vale esse ano, quero saber quando é que algum representante da impren$$a vai me entrevistar!
:D

PS: Algumas das operações citadas no post são tão complexas, que é necessário algum Phd para compreender a essência delas.

Pagar $65 em PBR é só para gênios!

Fact Finder disse...

A imprensa só gosta de quem tá na Lista dos 400 da Forbes :)

pequeno aprendiz, 17 anos, gaucho, vestibulando de medicina. disse...

Senhor Fact

estou ofendido; citou o Soros e não me citou, como não notavel.

a uns quarenta anos atraz treidava opiças na Bozzano Simonsen
e tudo que Mr. Júlio mandava seus corretores me sugerir, eu fazia

...e NÃO NOTEI, nada, nadinha, de errado nisso...

BUT, verdade se diga, quase QUEBREI.

Leo disse...

Complete:

sardinha <> tubarão
pato <> ...

Fact Finder disse...

1. "Calls" começaram a ser negociadas em 1973, Aprendiz. "Puts" (ou putz!), em 1977. :)

2. Leo, avestruz? rs