DISCLAIMER


DISCLAIMER: 1. The risk of trading equities and/or derivatives can be substantial. 2. Any decision to purchase or sell as a result of the opinions expressed in this blog will be the full responsability of the person authorizing such transaction. 3. Past performance is not indicative of future results.

domingo, 28 de setembro de 2008

Quem Lê o Globo Sabe Mais - II

Para compreender meu comentário atual, convém reler a primeira postagem do blog. O contrarian indicator do Globo funcionou bem durante toda a seqüência do bull market nos EMs. Desde então, quem "decorou" essa minha observação e resolveu aplicá-la não deve ter tido retornos positivos, se acreditou em fundos de maior longevidade. Nos últimos meses os veículos de comunicação deram vez ou outra espaço de relevância à crise yankee, principalmente depois de quedas diárias expressivas no IBovespa. O máximo que aconteceu nesses casos foi uma consolidação por um pequeno período para novas quedas. Essa é a grande magia dos mercados. Está em constante mutação.

Observo um erro muito comum na aplicação de contrarian analysis (CA) por parte de investidores em fóruns, grupos eletrônicos, etc. Fazem-no em desvinculação aos technicals. CA é um apoio à technical analysis. Não convém que seja aplicada de forma estanque. Daí acredito que esse tipo de análise seja de pouco proveito a fundamentalistas ortodoxos. A título de curiosidade...a semana que passou, por exemplo, foi sui generis para os leitores do Globo. Senão vejamos:
  • Dia 23 (ter): "Incerteza sobre pacote gera instabilidade nos mercados";
  • Dia 24 (qua): "Congresso dos EUA exige punições e ameaça pacote";
  • Dia 25 (qui): "BC deixa mais dinheiro com bancos para não faltar crédito";
  • Dia 26 (sex): "Disputa eleitoral nos EUA dificulta socorro a bancos".
Mercado financeiro é área de pouquíssima familiaridade ao cidadão comum. Assim, jornais de grande circulação refletem apenas a percepção dos leigos sobre os acontecimentos nessa área e comumente servem de trigger para surtos de pânico. Vejam abaixo a escalada no Google Search de buscas pelo verbete "crise". Por derradeiro, sempre bom frisar: os comportamentos típicos dos retail investors não está limitado a áreas geográficas ou época. O ser humano no aspecto emocional não "evoluiu" significativamente nos últimos milhares de anos.

Um comentário:

aguia disse...

é o velho blá-blá-blá do irmão da loira, o verde loiro do curupaco-pa-paco:

falam muito, e como não sabem nadinha das raizes e nem das grimpas de nada, nada dizem.

gostaria de ver alguém escrever TUDO a respeito, tipo assim, bem resumido, hiper sintético:

"o SF foi atropelado por uma puta bôlha e o motorista Bush nem sabe como dar a partida na merda da ambulância"

ou:

"o quadros gerais atuais são muito degenerAtivos"

ou, pelo menos:

"hmmmmmm... tá feio, mas, pode ficar horrivel"

ou, ainda:

"já gritaram FÔGO e a porta da saida de incêndio ainda está aberta... ô6 tão esperando o Q???".

ou, finalmente:

"...o último a sair paga a conta"

coisas que o povão entende e que não são mentiras deslavadas, tipo essas, como assisti hoje, a seguir
(NÃO!... não é para seguir isso NÃO!), digo, abaixo:

"com as atuais quedas, os prêços das ações voltaram a ficar muiiito atraentes"

quá... atraentes estiveram quando a Bofesta estava abaixo dos 14 kg e lá pelos 34 já estava era tudo muito caro... e aí ainda dobraram, né, uái.